Media  |
Fale  |

Filmes
A Testemunha

 

FICHA

"A Testemunha"
Título original:
Witness
EUA - 1985, 112m.

Elenco:

Harrison Ford -
James
Kelly McGillis -
Mollie
Lukas Haas -
Rosie
Danny Glover -
Albert
Abe Vigoda -
Grandpa

Diretor: Peter Weir

Gênero: Policial

Pensilvânia, 1984. Logo após ficar viúva Rachel Lapp (Kelly McGillis) e seu filho de oito anos Samuel Lapp (Lukas Haas), que pertencem a uma comunidade amish, fazem uma viagem. Eles pretendem ir para Baltimore, pois Rachel quer visitar a irmã, mas em uma estação de trem na Filadélfia Samuel vai ao banheiro e acaba testemunhando um assassinato no qual a vítima foi um policial. John Book (Harrison Ford), o detetive da polícia que investiga a morte, só sabe que o assassino é um negro alto e, assim, leva o menino para a delegacia, onde Samuel tenta encontrar entre os "suspeitos usuais" e nas fotografias dos fichados o criminoso. Mas o garoto descobre o assassino ao ver uma notícia de jornal, na qual o detetive McFee (Danny Glover) é enaltecido por seu trabalho na narcotráficos. Sentindo a gravidade da situação, Book leva o fato a Paul Schaeffer (Josef Sommer), seu chefe, que promete investigar o caso. Entretanto, logo McFee tenta matar Book, o que deixa claro que Schaeffer o traiu. O crime faz parte de uma conspiração envolvendo alguns detetives do seu departamento e, assim, John foge com Rachel e Samuel para a comunidade amish que eles vivem. Mas a idéia de deixar Rachel e Samuel lá e partir não funciona, pois quando McFee tentou matá-lo o deixou ferido. Deste modo, John tem de ficar para se recuperar e Rachel o alerta que ele não pode ser levado para um hospital, pois assim seria fácil localizar Samuel e quem fez isto com John matará o menino. Enquanto isto os assassinos vão ao encalço deles, pois querem logo eliminá-los.

Os amish são um grupo cristão residente nos Estados Unidos e Canadá. Sua cultura é totalmente conservadora, sendo que o estilo de vida adotado pelos integrantes desta micro-sociedade são de séculos passados. Os amish convivem sem energia elétrica e evitando aparatos tecnológicos contemporâneos. Para o detetive, uma missão extra, além de proteger sua testemunha.

Trata-se de um filme que divide opiniões, até pelo fato de carregar alguns clichês em sua condução, porém nada que desmereça a obra. Peter Weir, já indicado quatro vezes ao Oscar, faz uma direção muito boa, sendo este talvez um dos filmes mais americanos do diretor australiano.

A história segue muito bem, tendo três pilares muito envolventes. A investigação e a proteção da testemunha são os principais, sendo que ainda o romance com a viúva amish Rachel Lapp (Kelly McGillis) e a tentativa de adaptação na cultura amish, tendo como principal resistência a de Eli Lapp (Jan Rubes). A corrupção na polícia e a ética amish colocam em cheque qual é realmente a sociedade mais desenvolvida e quem tem comportamentos primitivos.

Foi indicado ao Oscar de 1986 nas categorias de melhor filme, melhor diretor, melhor ator (Harrison Ford), melhor direção de arte, melhor fotografia e melhor trilha sonora. Além destas indicações, venceu nas categorias melhor montagem e melhor roteiro original.

Uma das cenas mais bonitas, dentre tantas nesse filme, acontece no meio do filme, como se Peter Weir fizesse uma espécie assim de intermezzo, um pequeno conto, dentro de sua novela. É o dia em que toda a comunidade amish se reúne para construir o celeiro da fazenda de um jovem casal recém-casado. O conjunto de seqüências, isoladamente, poderia ser um curta-metragem, um grande clip, a ser visto e revisto por quem gosta de belas imagens.

Um dos meus filmes preferidos, daqueles que nunca vou me cansar de assistir.


Patricia Neves


e